Como evitar as temidas Fake News?

Oi meu nome é Samara, tenho 14 anos (Teria se estivesse viva).

Se você tem mais de 25 anos com certeza já viu essa corrente no Orkut. Se você não tem mais que 25 anos joga essa frase no Google e você verá quantas vezes essa frase aparece repetida em diversos sites, fóruns e qualquer outro lugar onde há espaço para escrever. Isto foi uma uma corrente muito repassada na época do Orkut. Correntes são só mais uma forma de Fake News e devem ser evitadas, principalmente pela velocidade com a qual são compartilhadas.

Mas antes de tudo, what the fuck são as chamadas “Fake News”?

Fake News são notíficas falsas. Simples, direto e objetivo.

Mas porque elas são tão divulgadas, o que comem, onde vivem? Hoje, no Glob…mentira! Elas são facilmente compartilháveis justamente por parecerem verdade, em sua maioria. As Fake News são textos que usam de gatilhos emocionais e instintivos das pessoas para serem compartilhadas.

Mas o que são gatilhos emocionais? São atitudes, informações ou ações que literalmente disparam um gatilho, ou seja, fazem com que tenhamos uma reação impulsiva, animalesca, na maioria das vezes.

Os dois maiores gatilhos emocionais que são ativados quando alguém é atingido por uma Fake News são:

Medo de reter uma informação importante – tudo que não compreendemos bem nos dá medo. Quando não compreendemos bem uma informação, mas vemos que ela pode causar danos se não for compartilhada, isso nos faz ter o impulso de passar a informação pra frente. Nós morremos de medo de sermos responsáveis, caso aconteça algo com alguém que não ficou sabendo daquela notícia. Mesmo que ela seja falsa. Afinal de contas, porque foi que você não me avisou que isso ia acontecer, se você sabia há vários dias?

Urgência – sabe a história de “na dúvida, leva um casaquinho? É a mesma coisa aqui. O mesmo modelo de pensamento. Quando recebemos uma notícia e não enxergamos potencial para que ela cause estragos, repassamos, porque que mal tem, não é mesmo? É melhor compartilhar, porque se for verdade, eu já passei pra frente, aleluia, ufa!

Esses dois gatilhos emocionais são interdependentes. E eles tem um alto potencial de causar danos quando acontecem juntos. E quase sempre eles acontecem juntos!

Então funciona mais ou menos assim: a Tia Maria recebe um mensagem no Whatsapp. A mensagem era sobre bandidos estarem atirando ovos no para-brisa de carros para prejudicar a visão dos motoristas e assim aplicar um golpe. E pra evitar cair nesse golpe, é melhor que os motoristas passem óleo de cozinha no para-brisas. Isso tudo te pareceu um absurdo? Mas vai que é verdade né? Que que tem passar um oleozinho no carro?

É exatamente assim que pensa alguém que compartilha uma Fake News. Quem encaminhou a mensagem foi a Mariene, sobrinha da Tia Maria. Ela nem questionou se era confiável. Leu e passou pra frente. Tia Maria tinha medo E urgência.

E com várias mensagens destas sendo compartilhadas constantemente, as pessoas tomam medidas desnecessárias (como passar óleo de cozinha no para-brisas) e talvez até perigosas.

OK, Raissa, você me convenceu. Eu preciso combater esse comportamento impulsivo. Mas me ajuda, eu não sei identificar uma notícia falsa. Eu fico perdido. São muitas informações, muitas notificações.

Eu te ajudo!

O primeiro passo é identificar uma Fake News. Para identificar uma Fake News, precisamos olhar alguns detalhes. São eles:

Fonte

Sua obrinha é uma fofa, uma gracinha de pessoa, quer o bem de todo mundo, mas ela compartilhar uma mensagem não faz com que a informação compartilhada seja verdadeira. Ela pode estar compartilhando uma noticia falsa. Acontece com qualquer um. Então, antes de passar a notícia pra frente, que tal checar pra ver se é verdade?

Veículo

Eu sei que ao falar isso parece que a Internet é um lugar de gente maluca onde não se pode confiar em nada. E é exatamente isso que eu quero dizer. Se tem uma coisa que a informação em larga escala trouxe foi a comunicação de pessoas de destaque através de mídias sociais, como o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que se comunica e faz anúncios oficiais pelo Twitter, por exemplo. Isso parece absurdo, mas é um ponto de apoio. É um veículo onde podemos conferir se aquela personalidade realmente disse algo ou não. Recebeu uma notícia falando que a Ana Maria Braga falou um absurdo no Twitter? Entra lá no Twitter e vá direto à fonte: o perfil dela.

Na Internet há muita gente que quer causar o caos. Verificar uma mensagem direto na ferramenta onde ela foi publicada é um artifício muito útil para conferir se a informação foi mesmo publicada por quem dizem que foi.

Autoria

Sites de notícias não confiáveis tendem a escrever artigos sem autoria, ou seja, não identificam um jornalista ou personalidade para o texto escrito. Se o site esconder ou deixar de informar o nome do autor do artigo (ou da notícia), sinal vermelho! Melhor procurar se a informação é verdade ou se foi confirmada por um veículo mais confiável.

Incentivo ao compartilhamento

Se a mensagem te incentiva a passar a informação pra frente, atenção! É um forte indício de que é uma mensagem viral e uma grande chance de que seja uma notícia falsa.

Não tenha preguiça de pesquisar

Você não vai gastar mais do que 10 minutos para conferir na internet se uma mensagem é falsa e cá pra nós, você deixar de compartilhar uma mensagem por 10 minutos não é nenhum desastre né? Nós temos que aprender a ter mais calma, agir com mais inteligência emocional antes de sairmos por aí igual uns loucos compartilhando tudo rapidamente, sem nem ler direito o que está escrito. Para pesquisar, algumas dicas ajudam bastante como pesquisar se a notícia também foi compartilhada por grandes veículos (jornais ou instituições reconhecidas nacional ou internacionalmente).

Ajudinha extra

Hoje já temos alguns sites muito úteis que nos ajudam a verificar se um fato é verdade ou mentira. Um deles, que eu gosto bastante, é o E-farsas.

Assuma sua responsabilidade de ser um Fake Sharer

É duro falar isso, mas se você anda repassando notícias sem se atentar para estes tópicos que falei acima, você é um forte candidato a Fake Sharer. Esse é um termo que eu acabei de inventar, mas que quer dizer “Compartilhador de Mentiras”. Portanto, assuma sua posição. Sabe aquela história de que “quem omite também tem culpa no cartório”? Pois é, a regra vale pra isso aqui também.

Combater as Fake News não é uma tarefa fácil como é passar pra frente este tipo de informação, mas é algo que devemos tentar melhorar a cada dia. Afinal, a internet é um campo onde estamos presentes online, com nossas contas, nossos nomes. Tudo que fazemos é nossa responsabilidade e devemos ter consciência de agirmos como cidadãos conscientes também no ambiente digital.

Se você tem alguma dúvida, sugestão ou comentário sobre este tema, me fala, vamos trocar uma ideia e construir um mundo digital melhor.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: